O Futuro do E-commerces

Quando falamos em futuro, nem sempre pensamos a curto prazo. Imaginamos alguns bons anos a frente, mas com relação ao e-commerce a evolução das plataformas nos permite imaginar não apenas a curto prazo, mas a curtíssimo prazo o que teremos de novidade.

Algumas destas novidades inclusive já estão disponíveis, mas ainda não ganharam tanta popularidade e estão limitadas as grandes lojas, por exemplo os e-commerce mobiles.

O mobile é o futuro mais próximo dos e-commerces

A tendência é que em pouco tempo a grande maioria das lojas virtuais terá suas versões mobile. Me arrisco a dizer inclusive que as lojas que não se adaptarem a esta nova tecnologia irão caminhar à falência.

Por quê? Já expusemos em diversos artigos aqui na Promov o crescimento da utilização dos gadgets mobile, e mesmo com uma qualidade inferior de conexão, os custos da conexão mobile tendem a ficar cada vez mais baratos.

O que fará com que alguns públicos-alvo permaneçam conectados apenas por aparelhos mobile ou na maior parte do tempo através delas.

Lojas físicas se integrarão com lojas virtuais.

A integração das lojas físicas aos e-commerces é outro fator que em pouco tempo estará disponível, permitindo que os consumidores não precisem mais carregar dinheiro pelas ruas e as lojas ampliem o número de produtos expostos em suas vitrines através de aplicativos para celular, além de manter uma interação constante com o consumidor.

Em um futuro um pouco mais distante, as novidades poderão ficar a cargo da integração das lojas virtuais com impressoras 3D que permitirão a produção de produtos diretamente após a compra eliminando os estoques e permitindo a personalização dos produtos.

Lojas virtuais se transformarão em lojas físicas através da realidade aumentada.

Outro gadget que não está tão distante de se transformar em realidade segundo o Google e que pode revolucionar os e-commerces é o Glass, que através de aplicativos poderá permitir que as lojas online através da realidade aumentada se transformem em lojas físicas, permitindo que o consumidor tenha uma interação mais completa com os produtos comprados.

Este artigo não foi baseado em nenhuma fonte oficial, apenas na criatividade de seu autor e nas ferramentas que já estão disponíveis no mercado mas ainda são pouco utilizadas.

Boas Vendas!

 

Posts Relacionados

Faça seu Comentário